Qualidade

Nossa política de

qualidade

Programa de Qualidade

 A Certificação Equestre Sela Verde nasceu e se mantém sobre três alicerces: o respeito pela conservação da natureza, o bem-estar animal, a preocupação com a cidadania e a consequente agregação de valor. Dessa forma, busca-se o equilíbrio entre os interesses.

Apesar de se saber que uma certificação criteriosa de produtos e atividades tende a agregar valor ao bem produzido (FGV, 2010), sabe-se também que os processos de adequação das práticas de manejo ambiental e animal, das instalações e dos equipamentos demandam tempo e recursos. O que pode, muitas vezes, representar um empecilho às pessoas que buscam aplicar as boas práticas recomendadas pelo Selo em suas casas. No sentido de democratizar ainda mais os princípios que regem a Certificação Sela Verde, criou-se o Programa de Qualidade Sela Verde, que pode representar um primeiro passo antes de se efetivar uma certificação, tendo em vista o seu rigoroso processo.

Dessa forma, o programa consiste em um reconhecimento ao esforço dos proprietários e criadores de equídeos na busca por conhecer e aplicar as melhores práticas. Uma vez que recebam consultoria de profissional habilitado pelo Projeto Sela Verde para capacitação da equipe e adequação da propriedade por um período mínimo de 1 (um) ano, esta pode ser inscrita, então, no Programa de Qualidade Sela Verde, permanecendo nele pelo período a equipe capacitada ainda estiver no haras, mediante reavaliações semestrais.

 

Cerca de dezesseis estabelecimentos já passaram pelo programa e outros seis o integram atualmente. São eles:

 

  • Fazenda Nova Esperança (ML), Batatais -SP;

  • Haras dos Mares (MM), Brasília-DF;

  • Haras Terraruna (MM), Brasília-DF;

  • Haras Mangalarga da FAL (ML), Brasília-DF;

  • Haras Vivendas do Vale (MM), Brasília-DF;

  • Haras da Concórdia (MM), Brasília-DF.

 

Estabelecimentos que já participaram do Programa de Qualidade Sela Verde:

 

  • Coudelaria Coroa do Morro (MM, PSL, PSA), Brasília-DF;

  • Rancho Canabrava (MM), Sobradinho-DF;

  • Fazenda São Manoel (QM, Crioulo), Formosa-GO;

  • Fazenda Fronteira (MM), Planaltina-DF;

  • Haras da Bútua (MM), Nepomuceno-MG;

  • Haras da Candeia (MM), Padre Bernardo-GO; 2

  • Fazenda das Posses, Criatório Angaí (MM), Aiuruoca-MG;

  • Haras Catuni (MM), Francisco Sá-MG;

  • Haras Herança (MM), Brasília-DF;

  • Haras Pasto Alegre (MM), Nepomuceno-MG;

  • Fazenda Roseta (MM, PSL), Baependi-MG;

  • Haras Grande Árvore (Campolina), Itaguara-MG;

  • Haras do Sertanejo (MM), Água Fria-GO;

  • Haras Jacurutu (MM), Brazlândia-DF.

     

     

Texto de Débora Azevedo, Mestre em Saúde Animal (UnB), Médica Veterinária (UnB) e Consultora de Bem-estar Animal do Projeto Sela Verde.

 

19/05/2021